Self-Service e o Power BI

Desde de meados de 2016 um dos grandes desafios em tecnologia da informação é capacidade de analisar a grande massa de dados que é gerada diariamente, este grande volume de dados denominamos Big Data, que provavelmente você já ouviu falar em algum lugar, continua crescendo exponencialmente e estima-se que até 2020 teremos uma quantidade de incríveis 40 Zettabytes de dados gerados por diversas fontes, sendo estes estruturados (em base de dados, tabelas e planilhas) e não estruturados (CSV, TXT, JSON…)

Estimativa de crescimento do volume de dados digitais de 2010 a 2020

Sendo este tema amplamente discutido em debates, painéis e fóruns, estes têm se focado na capacidade de análise destes dados, transformando-os em informação relevante através de gráficos estáticos, ou seja, o termo Analytics se tornou a motor das decisões e seu combustível são os dados.

Estes fatos trazem à tona um não tão recente conceito junto com o Big Data o já conhecido Buisiness Inteligence(BI).

Projetos de BI sempre são lembrados pela sua complexidade e demora nas entregas de painéis de visualização de dados (Dashboards), visto que é necessária uma complexa arquitetura, e processos bem definidos para sua concepção, o que poderia ser feito apenas por profissionais altamente capacitados, com know-how em TI e Gestão da Informação para execução das atividades do projeto para entrega dos dashboards.

Os tão sonhados e lindos painéis que mostram TUDO a TODOS!

Ao final de um longo ciclo de trabalho, gerando grande expectativa ao gestores e analistas de negócios, nem sempre o resultado era o esperado e em sua maioria os projetos de BI sempre voltavam aos Analistas de BI para alterações e ajustes de mais alguns meses.

Stakeholders amplamente satisfeitos com seu projeto e BI

Os analistas de negócios e de áreas especificas, na corrida contra o tempo para entregar analises simples ou das mais complexas, utilizam do bom e velho Excel, que permite a liberdade de estruturação de dados com curva de aprendizado baixa possibilitando uma rápida entrega. O Excel é uma ferramenta fantástica em seu propósito pois sempre causa a sensação de empoderamento – palavra da moda – com uma planilha, ajustada e com gráficos bem definidos.

Podemos levar em conta também o alto custo de projetos de BI se comparado às varias planilhas geradas com o Excel que quebravam um bom galho no momento de analisar dados.

A Microsoft vendo este uso do Excel para construção de painéis de dados lançou alguns suplementos de softwares para compor o Excel, dando mais poder ao usuário final na estruturação, relacionamento de dados e construção de gráficos mais dinâmicos.

Estes suplementos permitiam uma entrega mais rápida das analises com uma curva de aprendizado média, porém a instalação destes componentes e a entrega dos painéis ainda era custosa. Sendo assim em julho de 2015 a Microsoft agrupa estes suplementos em uma só ferramenta e nasce o Microsoft Power BI.

Com o advento deste lançamento se populariza também o conceito de self-service BI no mercado, este conceito de denota à liberdade que o usuário tem para conexão em diversas fontes de dados, onde um analista que não seja da área de TI possa construir seus relatórios sem precisar de uma grande estrutura de projeto de BI, possibilitando a entrega com a rapidez crescente que mercado exige. A redução de custos também e um fator importante para esta adoção, visto que o licenciamento do Power BI se destaca frente as ferramentas concorrentes de marcado.

Isso não significa que analistas de BI e Engenheiros de Dados e DBAs perderam seus postos, e que projetos grandes de BI não estejam sendo mais desenvolvidos, pelo contrário, o Power BI entre para agilizar as tão demoradas entregas e para analises menos complexas, possibilitando melhor visibilidade dos paineis e integração nativa com diversas fontes de dados.

Estamos iniciando projetos de analise de utilizando Power BI e seus suplementos, e este é o primeiro de uma serie postagens que pretendo fazer demonstrando o uso da fermenta e sua capacidade de gestão de dados para analises dinâmicas e ricas.

É democratização do Analytics ,é o poder da Inteligência de Negócios.

Abraço!

Compartilhar é se importar!

1 resposta a “Self-Service e o Power BI”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *